Formas de tratamento e destinação dos resíduos sólidos urbanos e industriais



Você sabia que grande parte dos resíduos produzidos nas cidades brasileiras é disposto em vazadouros a céu aberto e aterros controlados? E que além dos resíduos urbanos, resíduos industriais – principalmente não-inertes e inertes – também têm sido encaminhados para estes locais? E por não possuírem infraestrutura adequada, essas áreas localizam-se nas proximidades de núcleos populacionais e ecossistemas importantes?



Essa destinação incorreta dos resíduos sólidos, trazem grandes riscos ambientais, sendo irreversíveis em alguns casos, dependendo da toxidade e quantidade de resíduos descartados. Para se evitar isso, existem algumas formas de tratamento e destinação para esses resíduos, pouco empregadas ainda, mas que auxiliam grandemente na preservação do meio ambiente. Entre elas, listamos algumas à título de curiosidade e conhecimento sobre tal assunto:



Aterro Sanitário: É a forma de disposição final de resíduos sólidos no solo, em local devidamente impermeabilizado, mediante confinamento em camadas cobertas com material inerte, segundo normas operacionais específicas, de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais. A PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei nº 12.305/2010), propõe essa medida de destinação de resíduos, impondo a necessidade premente de substituir os lixões a céu aberto por aterros sanitários como medida de proteção ambiental.



Reciclagem: É uma forma de reaproveitamento das matérias primas que são descartadas. Nesse sentido, reciclar significa diminuir a quantidade de resíduos provenientes dos produtos consumidos pelo homem. É uma prática que precisa ser difundida, especialmente pela economia da energia gasta nos processos de produção e pela diminuição na utilização de matéria-prima virgem. Entretanto, para ser viabilizada em maior escala, torna-se inevitável a adoção de políticas voltadas à regulamentação e incentivos ao setor.



Compostagem: Constitui-se no processo biológico de decomposição da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal. Esse processo tem como resultado final um produto – o composto orgânico – que deve permitir sua aplicação no solo sem ocasionar riscos ao meio ambiente. É muito praticado no meio rural. Para ser aplicado aos resíduos sólidos urbanos, necessita-se de um rigoroso processo de triagem de sua fração orgânica para livrá-lo de componentes tóxicos ou perigosos.



Incineração: É o processo de redução de peso e volume do lixo pela combustão controlada. A incineração é utilizada atualmente no Brasil, apenas para o tratamento de resíduos hospitalares e industriais, devido à alta periculosidade. É bastante difundida em países desenvolvidos e com pouca extensão territorial e, normalmente, associada à produção de energia.


Se você gostou desse texto, já conhecia alguma dessas “soluções” para o “lixo”, não conhecia nenhuma ou até mesmo conhece uma outra destinação de resíduos que colabore com o meio ambiente, então comente algo sobre ela, marque um amigo para propagar conhecimento e curta esta publicação. Obrigado!


Jhonatan A. Pizatto

Estágio em Analista Ambiental

Graduando em Química Bacharelado - UEM




#meioambiente #residuos #pgrs #pnrs #ecoaltenativa #aterrosanitario #reciclagem #compostagem #incineracao #residuosinertes #residuosnaoinertes #impactosambientais #preservacaoambiental #ecoliga


0 visualização
ENCONTRE-NOS

MATRIZ

Avenida Morangueira, 121

Zona 7 | 87030-300

Maringá - Paraná

(44) 3031-1989

FILIAL

Avenida Ayrton Senna, 1055

Ed. Square Garden, sala 1505
Gleba Palhano | Londrina-PR

(43) 3354-0529

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon

© 2017 EcoAlternativa